Diversas

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Ser feliz




Fazes-te luar que clareia o breu da minha nostalgia
E se embrenha pelos atalhos,
Do meu caminho de solidão!

Insinuas-te na brisa, que me beija
E murmura palavras de amor,
No silêncio dos meus pensamentos!

Sinto-me abraçado pelas sombras,
Que se fazem da tua presença
E que suavemente deslizam pelas paredes nuas,
Onde se reflete a minha melancolia!

Tens a subtileza de apaziguares
A tristeza que me invade!

És o rio que corre docemente
Pelo leito do meu coração
E inunda o mar do meu sentir,
Nas ondas de cantares sublimes
Que fazem de mim um ser diferente!

Quando és sol, lua, mar e terra,
No fascínio das minhas emoções,
Eu sou tão-somente...
Feliz!

José Carlos Moutinho

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Se eu fosse brisa





Ah...mas como eu gostaria de ser brisa,
Que suavemente te beijasse
E no meu sussurrar,
Quase silencioso te falasse do meu amor!
Abraçar-te-ia no sopro quente de mim
E envolver-te-ia num abraço,
De doces e palpitantes sensações!
Levar-te-ia junto do meu peito
E bem juntinhos...
Como as nuvens que nos afagam,
Voaríamos sobre vales de calmaria,
Subiríamos as montanhas das emoções,
Sulcaríamos os mares das ilusões
E nas ondas dos prazeres inventados,
Deixaríamos os nossos sentidos,
Serem levados na inconstância das marés,
Atravessaríamos o horizonte
E quando o sol cansado lá no firmamento,
Beijasse o mar...
Eu deixaria de ser brisa
Os nossos corpos acoplar-se-iam.

José Carlos Moutinho

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Futuro que se faz próximo




Pelos descampados do meu querer,
Encontro flores campestres,
Que se aninham a meus pés,
Nos momentos de solidão,
E que me alentam para a vida,
Os seus perfumes, como essências raras,
Têm o encanto do despertar,
Das longas noites de melancolia,
Onde a nostalgia me toma!

Quando a alvorada se faz sentir,
Nos raios que penetram o meu ser,
Surge a saudade de instantes idos,
Suavizada pelos momentos presentes
E revigorada nos anseios,
Dos tempos que virão,
No futuro que se faz próximo,
Pela correnteza deste rio do tempo,
De caudal veloz,
Que tudo leva e nada deixa,
Tão somente as recordações,
Para os que ficaram,
Transmitirem aos que hão-de chegar.

José Carlos Moutinho

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Eu era a tua âncora




Sempre que o sol esmorece no despertar da lua,
Surges-me em todo o esplendor,
Sinto o sussurrar das tuas palavras de amor,
Na brisa que me desliza pelo rosto
E pelo perfume que me inebria
Do teu corpo quente,
Esguio, de contornos delicados
E geometricamente desenhados,
Por onde tantas vezes eu naveguei,
Na segurança dos teus braços,
Velas do meu sentir
E ancorei, no descanso,
Que a nossa sofreguidão causava
Nas arrebatadas tempestades,
Dos nossos momentos de fantasia;
Os teus pés, como amarras,
 Prendiam-me ao teu porto,
Do meu abrigo,
Fazendo-me âncora
Que te afundava no mar do prazer
E relaxamento.

José Carlos Moutinho

sábado, 18 de fevereiro de 2012

És o meu porto de Abrigo




Invento-te nas horas que virão
Deste meu tempo esmorecido,
Nos caminhos de amarga ilusão;
Que sejas meu porto de abrigo!

Encosto-te no meu peito dorido
Por dores de saudade pertinente,
Quero o passado esquecido
E viver com amor para sempre!

Sem ti, mulher doce e amada
A minha vida não tem sentido,
Iremos juntos nesta estrada...

Jamais me sentirei esmorecido,
Estarás comigo na alvorada
De cada momento nosso vivido!

José Carlos Moutinho